www.sofossas.com.br
 
 
Fones:
(31) 9110-9667 (Tim)
(31) 8255-6712 (Claro)
(31) 8790-6909 (Oi)
sofossas@sofossas.com.br
 
  MANUAL FOSSAS SÉPTICAS CONVENCIONAIS
 

LEIA ATENTAMENTE ANTES DE MANUSEAR OU INSTALAR OS EQUIPAMENTOS.

            As fossas, filtros e tanques HD são fabricados em polietileno proporcionando alta resistência e estanqueidade para as finalidades para as quais foram projetados. São entregues lacradas, prontas para instalação.
 
             É essencial, porém, observar os devidos cuidados no seu manuseio para evitar problemas futuros.

MANUSEIO DO EQUIPAMENTO:

Evitar impactos de cargas concentradas no transporte e no depósito.
Não arrastar os equipamentos.

INSTALAÇÃO:

Fazer dois buracos com diâmetros 20 cm além do diâmetro da fossa e filtro.  Na profundidade observar que as tampas fiquem, aproximadamente, uns 10 cm da superfície da terra. A distância mínima do buraco da fossa e do filtro é de 1,0 m. A saída do descarte deve ser de, no mínimo, 2,0 m.
A base de recebimento dos equipamentos deve ser nivelada e em solo firme, além de receber uma camada de areia peneirada para o assentamento do sistema.

As ligações hidráulicas devem ser feitas sem esforço, seguindo o detalhamento do projeto, sempre observar as entradas e saídas e suas tubulações.

Antes de aterrar o equipamento, todo o sistema deverá ser cheio com água para teste de estanqueidade e para oferecer resistência às pressões externas nas paredes dos equipamentos. Aterrar com os recipientes vazios pode provocar a implosão dos mesmos.

Encher o sistema com água antes de aterrar. O aterro deve ser feito com terra ou areia “limpas”, pois a presença de pedras entulhos ou outros materiais, em contato com as paredes dos equipamentos, podem danificá-los. Mesmo que não seja aterrado (instalação na superfície), o sistema começa a funcionar cheio de água.

 

Pode ser necessário bater uma laje de concreto sobre as tampas dos equipamentos.

A ferragem da laje deve ser apoiada no terreno em volta, ultrapassando 30 cm do aterramento.

Aguardar um período de, no mínimo, 7 a 10 dias para a secagem da laje.

Ao fazer a laje, observar a preservação das “visitas” dos equipamentos, para que não seja introduzido concreto no interior dos mesmos.

Levantar, sobre a laje, uma chaminé de visita até o nível do solo, onde deverá ser assentada uma tampa de ferro fundido de 40 x 60 cm em cada visita (opcional).

MANUTENÇÃO:

FOSSA SÉPTICA: em cada período de 1 ano de uso, o lodo digerido deverá ser removido em 30% do seu volume total através do “Tê” que direciona o afluente (esgoto bruto) à zona de lodo da fossa, com acesso pela tampa da visita.

FILTRO ANAERÓBIO: em cada período de 1 ano de uso, o lodo Do fundo falso  deverá ser removido até, no máximo, em 50% do volume total através do “Tê” que direciona o afluente (esgoto pré-tratado pela fossa séptica) ao fundo falso, com acesso pela tampa da visita.


Obs.: com o uso regular do Biorooter®, o período de limpeza da fossa e do filtro se prolonga 2 anos ou mais.

 

A manutenção de retrolavagem do filtro anaeróbio somente deverá ser feita se houver colmatação do leito fixo, com o objetivo de não retirar os organismos aderidos ao leito. O lodo deverá ser removido através do “Tê” que direciona o afluente (esgoto bruto) à zona de lodo da fossa, com acesso pela tampa da visita.

 

REVISÃO:

Transportar os equipamentos com cuidado, evitando arrastos e choques.

O diâmetro das escavações deverá ser sempre 20 cm superior ao diâmetro dos equipamentos (no mínimo).

A profundidade dependerá do nível que chega o esgoto no local da instalação.

Nivelar o fundo do buraco com uma camada de 15 cm de areia peneirada.

Colocar os tubos sem forçar as conexões, observando o caimento e a entrada (mais alta) e saída (mais baixa).

Encher os tanques com água e aterrar de acordo com o nível da água.

Bater uma laje de concreto mantendo as chaminés de visita e as tampas de 40 x 60 cm.

Verificação a seco:

Fazer uma inspeção completa, a seco, das condições da instalação.
Apresentar para a equipe encarregada da manutenção todas as partes do sistema, localizando todas as unidades, registros (se houver), tubulações e equipamentos.
Instruir sobre normas de segurança e utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs): luvas, botas, óculos de segurança, macacão.
Verificar e limpar todas as tubulações e registros.

Verificação com água:

Antes do início da operação do sistema deverão ser repetidos os testes, hidráulico e mecânico, de todos os seus componentes, já realizados quando da instalação.

 

OPERAÇÃO:

Os dispositivos de entrada (gradeamento) e saída (inspeção) da fossa e filtro, devem ser verificados e limpos de acordo com sua utilização. Caso seja utilizada caixa de gradeamento, a mesma deverá ser inspecionada e os sólidos aderidos à grade deverão ser removidos sempre que necessário.
Quando houver caixa cloradora verificar periodicamente as condições das pastilhas de cloro e fazer a reposição quando necessário.
            As Fossas HD são entregues com o dispositivo Biostrigger pré-instalado para dar partida ao processo de biodegragação

Após um mês de funcionamento, aproximadamente, aplicar diretamente no vaso sanitário 100 g de Biorooter® para manutenção do sistema de decomposição. O uso contínuo do Biorooter® (60 g de 30 em 30 dias) proporciona um funcionamento prolongado sem necessidade de limpeza, além de eliminar, por concorrência, até 90% das bactérias patogênicas.

 
ATENÇÃO

A não observância das instruções de instalação isenta a Hidraulis da garantia dada.

No caso da solicitação de visita técnica para resolução de problemas decorrentes da não observância das NORMAS DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO, serão cobrados taxa de visita e o material utilizado nos eventuais reparos.